Imprensa

Caminhada em Ipojuca marca o dia do enfrentamento ao trabalho infantil

Evento foi promovido pela Secretaria Municipal de Assistência Social.

Ramos Júnior,
Participantes saíram em marcha da Avenida Francisco Alves de Souza, no centro (Foto: Wilderson Pimentel/Secom)

 Centenas de estudantes da Rede Municipal de Ensino participaram na manhã desta terça-feira (12), no centro, de uma caminhada contra o trabalho infantil. A passeata saiu por volta das 8h30 da Avenida Francisco Alves de Souza e seguiu até o prédio da Prefeitura do Ipojuca. O evento foi promovido pela Secretaria Municipal de Assistência Social, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação.

 “A caminhada é para sensibilizar a população com relação ao enfrentamento do trabalho infantil. E que a sociedade também se responsabilize por essa violação dos direitos da criança e do adolescente a partir de denúncias, do envolvimento com a temática e outras medidas”, disse a titular da pasta de Assistência Social, Tânia Barros.

 A organização da caminhada estimou que mais de duzentas pessoas estiveram no evento. “Trabalho infantil é errado porque tira a oportunidade de a criança estudar porque está trabalhando”, complementou Tânia Barros.

 Agentes da Autarquia Municipal de Trânsito e Transportes (AMTTRANS) acompanharam os participantes.

 

Sobre o Dia do Enfrentamento ao Trabalho Infantil

 Doze de junho é o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. A data foi instituída pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), em 2002, para conscientizar sociedade, trabalhadores, empregadores e governos do mundo todo contra o trabalho infantil.

 De 2007 a 2015, 187 crianças perderam a vida em acidentes de trabalho. Segundo o Ministério Público do Trabalho, criança que trabalha adoece e morre três vezes mais do que os adultos.


O que é Trabalho Infantil?

 É todo o trabalho realizado por pessoas que tenham menos da idade mínima permitida para trabalhar. Cada país tem sua regra. No Brasil, o trabalho não é permitido sob qualquer condição para crianças e adolescentes entre zero e 13 anos; a partir dos 14 anos pode-se trabalhar como aprendiz; já dos 16 aos 18, as atividades laborais são permitidas, desde que não aconteçam das 22h às 5h, não sejam insalubres ou perigosas e não façam parte da lista das piores formas de trabalho infantil.

 

Onde ele costuma ocorrer

 O trabalho infantil é muito mais comum do que pode parecer e está presente, diariamente, diante de nossos olhos, em suas diversas formas, tanto em ambientes privados quanto públicos.

 Em áreas urbanas é possível encontrar crianças e adolescentes em faróis, balcões de atendimento, fábricas e depósitos, misturados à paisagem urbana. Mais comum, porém, é o trabalho infantil doméstico, pelo qual, majoritariamente, as meninas têm a obrigação de ficar em casa cuidando da limpeza, da alimentação ou mesmo dos irmãos mais novos. São casos muito difíceis de serem percebidos justamente porque acontecem dentro da própria casa onde a criança mora, de modo a ser visto por poucas pessoas.Também comum é ver o aliciamento de crianças e adolescentes pelo tráfico ou para exploração sexual.

 Em áreas rurais, os trabalhos mais comuns são em torno de atividades agrícolas, mineração e carvoarias, além do trabalho doméstico.

 

 Clique no link e veja mais fotos do evento. Os registros são do fotógrafo Wilderson Pimentel.

 

Cadastre-se no WhatsApp oficial da Prefeitura do Ipojuca.

Clique AQUI e cadastre-se.