Imprensa

Profissionais da saúde de Jaboatão, UFPE e Hospital das Clínicas visitam o Centro de Microcefalia de Ipojuca

Foto: Dan Luiz/SECOM

O serviço oferecido pelo Centro de Reabilitação de Ipojuca às crianças com Microcefalia tem se tornado um modelo exitoso para outros municípios. Tanto que na manhã desta quarta-feira (12), representantes da Secretaria Municipal de Saúde de Jaboatão dos Guararapes estiveram na unidade para conhecer de perto o trabalho aplicado aos bebês e importar a experiência para a nova policlínica voltada ao atendimento às crianças e adolescentes, inaugurada na última terça (11) lá no município.

A coordenadora da Atenção Especializada de Jaboatão, Christiane Araújo, acompanhou o trabalho dos profissionais do centro e se mostrou animada com a implantação do serviço na nova policlínica. “A experiência aqui em Ipojuca é um exemplo a ser seguido pelos municípios. Um espaço adequado, atendendo às normas legais, uma atenção ímpar por parte dos profissionais com os bebês e mães que dispensa comentários. Lá em Jaboatão atuaremos da mesma maneira com os nossos bebês”, justificou.

Além da visita dos técnicos de Jaboatão, uma equipe do departamento de Medicina Social, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em parceria com o Hospital das Clínicas de Pernambuco (HCPE), também esteve no centro para realizar um trabalho que já está sendo desenvolvido em outros municípios pernambucanos. Coordenados pela médica Bernadete Perez, os profissionais estão acompanhando o desenvolvimento dos bebês que nasceram no HC entre os meses de outubro de 2015 e fevereiro de 2016, cujas mães contraíram o Zika Vírus durante a gestação e que não afetaram as crianças nos primeiros 12 meses de vida. Somente na RMR são 450 crianças que estão sendo avaliadas. “Após a identificação da síndrome da zika em algumas crianças após o primeiro ano de vida, resolvemos visitar as demais nos seus municípios e avaliar não somente a possibilidade delas terem desenvolvido algum problema em decorrência dessa síndrome, como também ter um raio x da rede de Atenção Primária dos municípios”, disse a médica. Bernadete parabenizou Ipojuca por ter avaliado as crianças e não ter identificado nenhum caso e também pelo nível de profissionalismo das equipes das unidades de saúde.

Na última segunda-feira (10), o serviço de assistência à saúde dos bebês com microcefalia comemorou o recebimento de recursos federais advindos do Ministério da Saúde. A portaria ministerial de número 3.197/2016 irá garantir um aporte de R$ 1,6 mi destinados ao custeio do serviço que funciona no Centro de Reabilitação Eduardo José Costa, em Nossa Senhora do Ó. Os recursos beneficiarão, além de Ipojuca, Cabo de Santo Agostinho, Jaboatão dos Guararapes e Moreno, municípios que compõem a microrregional 1.3. A secretaria já recebeu o valor retroativo dos três primeiros meses do ano, uma vez que a portaria foi aprovada em dezembro do ano passado.